sábado, abril 23, 2016

EU VOS DOU UM ÚNICO MANDAMENTO!

A última ceia no Quarto Evangelho é muito mais que o consumo de alimentos e confraternização. É um momento forte de auto revelação da parte de Jesus. É o momento de apresentação de seu testamento; por isso, este episódio ocupa nada menos que cinco capítulos (13 – 17), totalizando cento e cinquenta e cinco versículos. Para este Quinto Domingo da Páscoa, a liturgia nos oferece apenas cinco versículos, os quais podem ser considerados como a síntese geral do testamento de Jesus (13,31 – 35).

Podemos dizer que estes poucos versículos são a síntese e o coração do testamento de Jesus porque é aqui que Ele dá o mandamento por excelência, o mandamento do amor (v. 34). Não deixa de ser interessante que os fatos que precedem e sucedem à entrega do amor como mandamento, são bastante negativas para a comunidade: o anúncio da traição de Judas (vv. 21 – 30) e o anúncio da negação de Pedro (vv. 36 – 38). Essa pequena observação, por si só, já é muito significativa: não obstante as traições e negações, a resposta de Jesus não pode ser outra, senão o amor!

A mudança da terceira pessoa (vv. 31-32) para a primeira (vv. 33-35) mostra claramente que o pequeno trecho compreende dois momentos distintos dentro do mesmo episódio. O primeiro versículo (v. 31) estabelece a conexão com a cena anterior, o anúncio da traição de Judas e sua separação da comunidade. Trair Jesus é, logicamente, separar-se da sua comunidade.

Jesus esperou muito que a sua ‘hora’ chegasse no Evangelho de João (cf. 2,4; 7,30; 8,20). Finalmente, ela chegou (cf. 12,22.27; 13,1); é agora, como diz o versículo 31: “Agora foi glorificado o Filho do homem”. A traição de Judas não ofuscara o seu projeto, o qual era o projeto do Pai. Ora, antes da traição, Jesus tinha lavado os pés dos discípulos e recomendado que os mesmos seguissem seu exemplo. Ao cumprir tal gesto, não fez distinção, mesmo sabendo quem o haveria de trair negar. Portanto, tinha feito tudo. Já não havia mais o que esperar. Por isso, chegou, realmente o seu ‘agora’. 

A partir do versículo 33, em primeira pessoa, Jesus dirige-se diretamente aos discípulos, chamando-os carinhosamente de ‘filhinhos’ (tekni,on). É a primeira e única vez em que ele se dirige aos discípulos dessa forma. Teknion é o diminutivo de teknon, ou seja, é filhinho ou filhinha. Nem Maria, sua mãe, lhe tinha chamado dessa forma. Tudo isso evidencia o amor, a atenção e o cuidado dEle para com os seus.

No versículo 34, uma nova nova surpresa! Há dois adjetivos em grego que significam novo: ne,oj e kainoj. Ne,oj quer dizer ‘o mais novo’, ou seja, algo novo que surge entre coisas antigas, sem necessariamente substituí-las. Já kainoj, quer dizer algo absolutamente novo que supera tudo o que havia antes; é o novo que toma o lugar dos demais, aquele que substitui. Os demais deixam de existir, perdem completamente a importância e a razão de ser. E, Jesus usa exatamente kainoj ao referir-se ao novo mandamento. Com isso, ele quer dizer que os outros mandamentos não existem mais! Não há mais uma antiga e uma nova aliança. Há uma única aliança. A antiga não foi apenas superada pela nova; foi completamente abolida.

Uma vez que Jesus quebrou todas as barreiras que separavam a humanidade da divindade, ao chamar seus discípulos de filhinhos, não há mais razão de se pensar na antiga lei. Tudo é novo. Outra grande novidade que surge é a horizontalidade das relações: o novo mandamento nem sequer menciona o nome de Deus. Pede apenas amor ao próximo, segundo uma medida: a medida de Jesus: “Como eu vos amei, assim também deveis amar-vos uns outros”. Jesus não pede nem mesmo amor a si. Apenas coloca seu amor como parâmetro. Cumprir o novo mandamento é amar ao próximo segundo a sua própria medida de amor. No amor ao próximo, consequentemente, estará o amor ao Criador.

‘Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros” (v. 35). Com essa última afirmação, Jesus exclui a necessidade de qualquer outro distintivo para que alguém seja reconhecido como seu seguidor. Brasões, crucifixos, roupas com imagens estampadas e terços, assim como comida e bebida, não tem importância alguma. Nenhum destes sinais é capaz de caracterizar alguém como cristão. Só o amor, e o amor como o dele mesmo, é suficiente para alguém ser reconhecido como discípulo de Jesus.

A única característica da Sua comunidade é um amor semelhante ao Seu!


Francisco Cornelio Freire Rodrigues

Nenhum comentário:

Postar um comentário