Páginas

REFLEXÃO PARA O 9º DOMINGO DO TEMPO COMUM - LUCAS 7,1-10

Certamente o que mais chamará a atenção no Evangelho deste 9º Domingo do Tempo Comum será a cura feita por Jesus. O seu poder curador será super-exaltado, quando, na verdade, não é o centro da mensagem na perspectiva do autor, Lucas.
De fato, o texto proposto, o trecho de Lucas 7,1-10, apresenta a cura de um servo de um centurião romano. O mesmo episódio é relatado também por Mateus 8,5-13, embora a versão de Lucas seja mais rica em detalhes e significado.
O fato ocorreu logo após Ele ter terminado de 'falar para o povo' (v. 1). Ora, essa fala de Jesus, refere-se ao discurso no qual Ele proclamou as bem-aventuranças e as maldições, sendo estas últimas, exclusivas de Lucas, já que Mateus apresenta também as bem-aventuranças e até com mais profundidade em relação a Lucas.
O cenário da cena é a cidade de Cafarnaum, lugar muito importante para o ministério de Jesus. Era uma cidade alfandegária e, obviamente, munida de forte presença militar. Daí, não ser novidade o fato de que 'havia ali um oficial romano' (v. 2). Trata-se de um centurião, um chefe militar responsável por um grupo de cem soldados.
Assim como os cobradores de impostos, geralmente, os militares também não eram bem vistos pelo povo, uma vez que pertenciam ao aparato estatal do império romano e, consequentemente, eram também ele agentes de exploração. Inclusive, em muitos casos os cobradores de impostos pediam proteção aos soldados, quando a população negava-se a pagar as taxas.
Porém, o texto deixa claro que esse centurião específico era diferente dos demais. Não era visto pelo povo judeu como um inimigo, mas como um homem estimado, conforme as referências dadas a Jesus pelos anciãos (vv. 4-5). Suas credenciais o aproximam de um outro centurião também apresentado por Lucas com características muito semelhantes: Cornélio, personagem dos Atos Apóstolos (cf. At 10,1-33), homem temente a Deus e estimado pelo povo judeu, mesmo sendo pagão.
Ainda sobre as qualidades do oficial romano, uma que ainda se sobressai sobre aquelas apresentadas pelos anciãos judeus a Jesus (vv. 4-5) é a sua estima pelo seu escravo doente (v. 2), o qual vem erroneamente chamado de empregado na tradução do texto litúrgico. O texto grego traz o termo δουλος (dulos), cujo significado é escravo ou servo. Para o trabalhador remunerado ou empregado, o termo correspondente na língua grega é εργατης (ergates). Portanto, chama-nos a atenção o fato de um oficial romano querer tanto bem a um escravo, a ponto de preocupar-se bastante com ele, enviando duas comitivas a Jesus: uma de anciãos judeus (v. 3) e outra de amigos (v. 6).
Aos poucos, os motivos da estima do povo judeu pelo oficial, algo raro, vão ficando cada vez mais claros. Sentimentos como carinho (v. 2), generosidade (v. 5) e humildade (v. 6) não eram comuns no imaginário popular judaico para um soldado romano. E, muito menos fé (v. 9).
Porém, Lucas não está fazendo uma apologia ao exército romano com esse episódio. O que ele quer, na verdade, é apresentar o universalismo da mensagem de Jesus e, consequentemente, de sua ação. Ele quer mostrar para suas comunidades que não pode haver distinção entre os destinatários do Evangelho. Não importa se alguém é de origem judaica ou pagã. O que importa é reconhecer o Senhorio de Deus na pessoa de Jesus Cristo, através da fé, acima de tudo.
O soldado romano era o protótipo do rejeitado no mundo judaico. A atitude de Jesus diante dele é um convite à comunidade cristã, a Igreja, a abrir mão de todo e qualquer tipo de preconceito e discriminação. Lucas reforça a sua tese ao mencionar que a fé do oficial deixou Jesus admirado (v. 9). É importante fazer essa observação por que, de acordo com os quatro Evangelhos, é muito raro Jesus se admirar. Somente em duas ocasiões se diz que ele 'ficou admirado': aqui em Lc 7,9 (e no texto paralelo de Mateus 8,10) e em Marcos 6,6, sendo que nesse último, o motivo da admiração é exatamente o contrário do episódio de hoje: é a falta de fé dos judeus, particularmente de seus próprios conterrâneos.
Portanto, o que deixa Jesus admirado é a fé e a falta de fé. Seria bem mais compreensível a fé dos israelitas e a incredulidade dos pagãos. Mas é exatamente o contrário: a fé dos pagãos e a incredulidade dos judeus, o que vai ser uma marca das comunidades de Lucas, segundo sua segunda obra, o livro dos Atos dos Apóstolos.
Para concluir, retomamos o que afirmamos na introdução: o que mais chamaria a atenção do Evangelho seria a cura do servo. No entanto, para as intenções de Lucas, o mais importante é a acolhida da mensagem de Jesus da parte dos pagãos, como antecipação da trajetória da Igreja primitiva e a certeza de que não é necessário o contato físico para receber ação salvífica de Jesus, pois, nesse caso, Ele curou o servo à distância. Com isso, Lucas combate a presunção de cristãos que vangloriavam-se de ter convivido com o Jesus terreno, sentindo-se superiores àqueles que abraçaram a fé posteriormente.


Pe. Francisco Cornelio Freire Rodrigues